Criança que mamava no momento em que mãe morreu em acidente passa por cirurgias – Rádio Asa Branca 99,5 – A Rádio de Boa Viagem

Criança que mamava no momento em que mãe morreu em acidente passa por cirurgias

 

Familiares e amigos de Thaís Silva de Almeida, de 27 anos, prestaram as últimas homenagens nesta terça-feira (11), em velório realizado no bairro Bom Jardim, em Fortaleza. Ela estava com uma criança de pouco menos de 3 anos nos braços. A menina ainda está hospitalizada, mas se recupera. A vítima deixou três filhos.

Thaís morreu após um ônibus colidir com um caminhão na Avenida Alberto Craveiro, no Bairro Boa Vista. O acidente ocorreu na segunda-feira (10).

Nos braços, estava a filha de quase três anos, que tem paralisia cerebral. As duas vinham de uma consulta no Hospital Sarah Kubitschek.

Ao perceber que haveria a colisão enquanto amamentava, ela jogou a filha para um homem que evangelizava dentro do ônibus. Thaís morreu presa nas ferragens. A criança foi socorrida para uma unidade de saúde.
Eveline da Silva, irmã da vítima, disse que encontrou no IJF um outro passageiro que também estava no coletivo.

“Eu acredito que ele (o ônibus) estava em alta velocidade. Eu estava no IJF com a minha sobrinha, e um rapaz chamado Elano falou que estava na cadeira atrás da minha irmã. Ele estava no IJF com a filha dele, que se machucou. Ele disse que o ônibus já vinha em alta velocidade há um tempo. A minha irmã não entrou naquele ônibus morta, a minha sobrinha não entrou lá ferida. Foi a negligência daquele motorista que bateu no caminhão que estava parado”, revelou.

Sobre o estado de saúde da criança, que tem paralisia cerebral, Eveline conta que ela precisou passar por três pequenas cirurgias, duas na perna e uma no braço, e mostra estar assustada. Ela diz que vai levar o caso adiante na Justiça.

O motorista do caminhão não possui habilitação. Mas a família também questiona se o ônibus não estaria em alta velocidade. José Nicácio, esposo da Thaís, fala que as responsabilidades são das duas partes.

“Como ele estava na faixa do ônibus, o outro também tinha que ter a responsabilidade dele. Não é porque uma pessoa avançou na faixa dele, que ele vai chegar e vai se jogar por cima e tirar a vida de uma pessoa. E a empresa também tem culpa de ter contratado um profissional desse jeito. E a partir do momento que entra um passageiro no ônibus, a responsabilidade é da empresa também. Uma via daquela larga, reta, sem trânsito, a pessoa chega do nada e se acaba em cima de um caminhão e acaba com a vida de uma mãe de família”, desabafou emocionado.

O Tribuna do Ceará aguarda nota do Sindionibus sobre os questionamentos feitos pelos familiares da vítima.

 

Sistema Asa Branca de Comunicação

FONTE: Tribuna do Ceará